Sou gerente de unidade e tenho me deparado com uma dificuldade para garantir acesso em tempo oportuno para os usuários do território na agenda médica. A unidade tem 4 equipes de Saúde da Família, com 100% de cobertura do território. Temos também uma AMA na unidade, que faz com que a procura em demanda espontânea seja significativa. Temos conseguido trabalhar de forma bastante integrada, com acolhimento único e direcionamento dos pacientes para atendimento com os médicos de família. Após alguns ajustes nas agendas, seguindo diretrizes da Coordenadoria, temos percebido um aumento do tempo de espera para agendamento em consulta médica (de 20 para 50 dias em média), e consequentemente elevação da procura no acolhimento para atendimento médico. Discutindo com a equipe a situação para buscar uma solução para o problema, uma possível solução para esta questão foi a criação de dois grupos para acompanhamento dos usuários: – de hipertensos e diabéticos; – pessoas com transtornos mentais leves (depressão e ansiedade) que fazem renovação regular de psicotrópicos em consultas individuais. Desta forma, a ideia seria canalizar pacientes com perfil destas linhas de cuidado para estes espaços de acolhimento e acompanhamento, mudando o enfoque somente de consultas médicas individuais para um cuidado pela equipe multidisciplinar da unidade, garantindo também as rotinas de atendimento destes pacientes. Gostaria de opinião sobre a estratégia pensada e apoio com algum material para elaboração das abordagens nestes espaços

Profissional Solicitante: Gerente de Serviços de Saúde Resposta: Caro Gerente, seu questionamento é bastante pertinente e importante para uma boa organização do processo de trabalho da unidade. Vou dividir sua pergunta para tentar responder por partes: 1. “Após alguns ajustes nas agendas, seguindo diretrizes da Coordenadoria, temos percebido um aumento do tempo de espera para […]