Gostaria de saber o porquê da liberação das vagas de agenda regulada/especializada para o aplicativo do Agenda Fácil. No início, o acesso era apenas da agenda local e da regulada era só para visualizar a posição em fila de espera e confirmar o agendamento. Hoje o que ocorre é que usuários idosos, que não utilizam o aplicativo, acabam permanecendo na fila de espera, enquanto o usuário que utiliza o aplicativo consegue agendar na agenda regulada. Pergunto: como fica a equidade?
Gostaria de saber o porquê da liberação das vagas de agenda regulada/especializada para o aplicativo do Agenda Fácil. No início, o acesso era apenas da agenda local e da regulada era só para visualizar a posição em fila de espera e confirmar o agendamento. Hoje o que ocorre é que usuários idosos, que não utilizam o aplicativo, acabam permanecendo na fila de espera, enquanto o usuário que utiliza o aplicativo consegue agendar na agenda regulada. Pergunto: como fica a equidade?

Solicitante: Gerente de Serviços de Saúde   Resposta: O acesso às vagas da Agenda regulada/especializada para os munícipes com o aplicativo Agenda Fácil, só é possível para todos os cadastrados em fila de espera (inserido pelo setor de...

Mais Informações
Um Enfermeiro capacitado para aplicação e leitura de “PPD” derivado proteico purificado/teste tuberculínico pode capacitar outro enfermeiro para a mesma atividade? Tenho conhecimento que, antigamente era necessário que o enfermeiro para capacitar outro, teria que ser leitor de referência e exigia uma capacitação diferenciada. Essa informação procede?
Um Enfermeiro capacitado para aplicação e leitura de “PPD” derivado proteico purificado/teste tuberculínico pode capacitar outro enfermeiro para a mesma atividade? Tenho conhecimento que, antigamente era necessário que o enfermeiro para capacitar outro, teria que ser leitor de referência e exigia uma capacitação diferenciada. Essa informação procede?

Profissional solicitante: Enfermeiro Resposta: O documento vigente sobre técnicas e aplicações de Prova Tuberculínica (PT), se refere a multiplicadores e instrutores, entendendo-se que se trata de uma capacitação complexa que exige, um número...

Mais Informações
Olá! Minha dúvida é sobre manejo de contracepção no puerpério. Paciente refere atividade sexual desprotegida antes do início da contracepção hormonal no pós-parto. Como neste período as pacientes geralmente ficam em amenorréia por conta do aleitamento, como proceder para iniciar método hormonal contraceptivo? Quantos tempos podem esperar após coito desprotegido para ter um Beta HCG urinário positivo? Como podemos introduzir um método sem riscos de gestação e ao mesmo tempo não perder “timing” para evitar gravidez indesejada? Desde já obrigada.
Olá! Minha dúvida é sobre manejo de contracepção no puerpério. Paciente refere atividade sexual desprotegida antes do início da contracepção hormonal no pós-parto. Como neste período as pacientes geralmente ficam em amenorréia por conta do aleitamento, como proceder para iniciar método hormonal contraceptivo? Quantos tempos podem esperar após coito desprotegido para ter um Beta HCG urinário positivo? Como podemos introduzir um método sem riscos de gestação e ao mesmo tempo não perder “timing” para evitar gravidez indesejada? Desde já obrigada.

Profissional Solicitante: Médico Clínico     Resposta: Obrigado pela pergunta, espero atender sua expectativa. No período que a mulher amamenta o retorno da ovulação é variável e pode ser por vários meses principalmente nas gestantes que...

Mais Informações
Há alguma contra indicação em autorizar a vacinação contra febre amarela em paciente de 63 anos com história patológica pregressa de hepatite C, com cura ha 13 anos? Grata!
Há alguma contra indicação em autorizar a vacinação contra febre amarela em paciente de 63 anos com história patológica pregressa de hepatite C, com cura ha 13 anos? Grata!

Profissional solicitante: Médico da Estratégia de Saúde da Família   Resposta:   Em resposta à solicitação de informação sobre vacina de febre amarela em paciente com cura de hepatite C temos a informar: 1-Avaliar se o paciente não é...

Mais Informações
Paciente do sexo feminino, de 20 anos, com antecedente de crise convulsiva antes da gestação com cessação do quadro sem medicação e sem investigação prévia. 18 meses pós parto apresentou apenas um episódio de crise convulsiva tônico-clônica generalizada, esteve no PS onde realizou TC de crânio sem alteração e recebeu alta sem medicação. Está ainda amamentando filho de 1a9m. Foi encaminhada para neuro e solicitado exames para avaliação metabólica e sorologias. Até ser encaminhada para investigação com especialista, devo introduzir anticonvulsivante? Se sim, qual diante do aleitamento materno ainda presente? Desde já obrigada.
Paciente do sexo feminino, de 20 anos, com antecedente de crise convulsiva antes da gestação com cessação do quadro sem medicação e sem investigação prévia. 18 meses pós parto apresentou apenas um episódio de crise convulsiva tônico-clônica generalizada, esteve no PS onde realizou TC de crânio sem alteração e recebeu alta sem medicação. Está ainda amamentando filho de 1a9m. Foi encaminhada para neuro e solicitado exames para avaliação metabólica e sorologias. Até ser encaminhada para investigação com especialista, devo introduzir anticonvulsivante? Se sim, qual diante do aleitamento materno ainda presente? Desde já obrigada.

Profissional solicitante: Médico Clínico   Resposta   Boa tarde. Agradecemos o uso da plataforma telessaúde São Paulo, para tratar de sua dúvida. O questionamento refere-se à possibilidade de introdução de anticonvulsivante para paciente...

Mais Informações
Minha dúvida é sobre paciente do sexo feminino, 14 anos, menarca desde 12 anos, ciclos irregulares, apresenta diferença de mamas muito grande, com USG mamas normais. Sempre notamos diferença entre as mamas, em quase todos os pacientes, mas de fato há uma diferença significativa neste caso, o que me deixou em dúvida sobre seguir ou não com alguma investigação. Existe alguma conduta nesses casos?
Minha dúvida é sobre paciente do sexo feminino, 14 anos, menarca desde 12 anos, ciclos irregulares, apresenta diferença de mamas muito grande, com USG mamas normais. Sempre notamos diferença entre as mamas, em quase todos os pacientes, mas de fato há uma diferença significativa neste caso, o que me deixou em dúvida sobre seguir ou não com alguma investigação. Existe alguma conduta nesses casos?

Profissional solicitante: Médico clínico   Resposta: A assimetria mamária é achado frequente entre adolescentes. Pode se dar pela diferença de resposta dos receptores ao estímulo estrogênico. Há necessidade de acompanhar e aguardar o...

Mais Informações
Mãe refere que sua filha, de 3 anos, apresenta secreção vaginal verde fétida. em escassa quantidade. há mais ou menos 6 meses, acompanhada de dor em região genital quando faz a limpeza. No exame físico só evidencio saída de secreção verde esbranquiçada, sem fedor. Na cultura de secreção vaginal apresentou Escherichia Coli resistente para amoxicilina e ampicilina; sensível para amicacina, cefepima, ceftazidima, ceftriaxona, cefuroxima, ciprofloxacino, ertapenem, gentamicina, imipenem e meropenem. Resto dos exames sem alteração. Qual seria a conduta para tomar? Essa criança precisa passar pela Ginecologista?
Mãe refere que sua filha, de 3 anos, apresenta secreção vaginal verde fétida. em escassa quantidade. há mais ou menos 6 meses, acompanhada de dor em região genital quando faz a limpeza. No exame físico só evidencio saída de secreção verde esbranquiçada, sem fedor. Na cultura de secreção vaginal apresentou Escherichia Coli resistente para amoxicilina e ampicilina; sensível para amicacina, cefepima, ceftazidima, ceftriaxona, cefuroxima, ciprofloxacino, ertapenem, gentamicina, imipenem e meropenem. Resto dos exames sem alteração. Qual seria a conduta para tomar? Essa criança precisa passar pela Ginecologista?

Profissional solicitante: Médico da estratégia de saúde da família   Resposta: Diante do quadro descrito, à princípio, não há necessidade de encaminhar esta criança ao ginecologista. Vaginites nesta idade podem ter causas infecciosas...

Mais Informações
Segundo algumas diretrizes, em pacientes com osteoporose pode-se manter cálcio+ vit. D e associar alendronato, por 5 anos, podendo se estender por mais 5 anos. Entretanto, alguns estudos, recomendam o alendronato apenas. Gostaria de saber como proceder. Se o paciente já estiver usando cálcio devo manter e associar alendronato?
Segundo algumas diretrizes, em pacientes com osteoporose pode-se manter cálcio+ vit. D e associar alendronato, por 5 anos, podendo se estender por mais 5 anos. Entretanto, alguns estudos, recomendam o alendronato apenas. Gostaria de saber como proceder. Se o paciente já estiver usando cálcio devo manter e associar alendronato?

Profissional solicitante: Medico estratégia saúde da família Resposta: A osteoporose é doença caracterizada pela fragilidade óssea e tem como desfecho clínico mais importante a ocorrência de fraturas por baixo impacto, que ocorrem mais...

Mais Informações
Paciente possui dente 16 com grande destruição coronária e foi requisitado uma radiografia do elemento. Gostaria de saber se, pela radiografia, há chance de ocorrer comunicação buco-sinusal após a extração do dente.
Paciente possui dente 16 com grande destruição coronária e foi requisitado uma radiografia do elemento. Gostaria de saber se, pela radiografia, há chance de ocorrer comunicação buco-sinusal após a extração do dente.

Profissional solicitante: Cirurgião Dentista Resposta: As raízes dos dentes superiores posteriores, principalmente molares, podem encontrar-se em íntima relação com o seio maxilar, podendo em alguns casos haver protrusão dessas raízes em seu...

Mais Informações
MF, 47 anos hígida, não utiliza nenhuma medicação. Histórico de três gestações, três partos sem intercorrências, esterilização por laqueadura há 06 anos, fórmula menstrual 3/28. Com queixa de cistos mamários simples. Em exame de USG das mamas realizado em novembro/2017, observa-se cisto simples de 8×6 mm na mama direita ás 12 horas. Exames de maio/2018 o cisto encontra-se com 11 mm. A minha dúvida é se devido ao crescimento desse cisto no período relatado, devo realizar algum outro estudo complementar (PAAF)?
MF, 47 anos hígida, não utiliza nenhuma medicação. Histórico de três gestações, três partos sem intercorrências, esterilização por laqueadura há 06 anos, fórmula menstrual 3/28. Com queixa de cistos mamários simples. Em exame de USG das mamas realizado em novembro/2017, observa-se cisto simples de 8×6 mm na mama direita ás 12 horas. Exames de maio/2018 o cisto encontra-se com 11 mm. A minha dúvida é se devido ao crescimento desse cisto no período relatado, devo realizar algum outro estudo complementar (PAAF)?

Profissional solicitante: Médico da Estratégia de Saúde da Família Resposta Agradeço seu contato e a confiança depositada em nós para que possamos auxiliá-lo no seguimento de seu caso. Aproveitarei seu questionamento eminentemente clínico para...

Mais Informações