Nas visitas domiciliares de famílias que estão ausentes durante todo o mês (devido trabalho, principalmente), é possível que uma pessoa autorizada passe/receba informações de saúde daquela família/pessoa ausente quando se finda todas as possibilidades de encontrá-la no domicílio?

Nas visitas domiciliares de famílias que estão ausentes durante todo o mês (devido trabalho, principalmente), é possível que uma pessoa autorizada passe/receba informações de saúde daquela família/pessoa ausente quando se finda todas as possibilidades de encontrá-la no domicílio?

Profissional Solicitante: Gerente de serviços de saúde   Resposta: Todo cidadão tem direitos e deveres no processo de cuidado com a saúde. O vínculo estabelecido num processo que contemple a dinâmica entre paciente e serviço/profissional deve ser bem firmado no início do respectivo acompanhamento/cuidado/tratamento. Quanto à questão de não encontrar o paciente na residência para

Leia mais
Dúvida referente a ITU por Streptococcus agalactiae em gestantes. Considerando a identificação deste agente na urocultura, em um exame de rotina pré-natal e se o quadro clínico sugerir uma bacteriúria assintomática ou no máximo uma cistite, gostaria de um esclarecimento: Qual é a primeira opção de tratamento antibiótico dentre os beta-lactâmicos disponíveis na Unidade Básica de Saúde?

Dúvida referente a ITU por Streptococcus agalactiae em gestantes. Considerando a identificação deste agente na urocultura, em um exame de rotina pré-natal e se o quadro clínico sugerir uma bacteriúria assintomática ou no máximo uma cistite, gostaria de um esclarecimento: Qual é a primeira opção de tratamento antibiótico dentre os beta-lactâmicos disponíveis na Unidade Básica de Saúde?

Profissional Solicitante: Médico ginecologista e obstetra   Resposta: O tratamento da ITU Sintomática ou Bacteriúria Assintomática na gestante deve ser realizado de maneira empírica antes de qualquer resultado de Cultura ou Antibiograma, sendo que a escolha do antibiótico deve ser feita através dos protocolos do Ministério da Saúde, Febrasgo ou mesmo Protocolos Municipais, que se

Leia mais
Gostaria de um auxilio com os casos de pacientes que necessitam de encaminhamento para a Rede Lucy Montoro. Tínhamos uma ficha onde após preenchimento pelo médico era encaminhada via e.mail para avaliação do caso conforme critérios estabelecidos. Porém fomos informados de que esse fluxo mudou e não conseguimos uma resposta clara de como estaria sendo realizado este novo fluxo. Peço auxilio, pois temos pacientes que aguardam para ser encaminhados. Agradeço desde já pela informação.

Gostaria de um auxilio com os casos de pacientes que necessitam de encaminhamento para a Rede Lucy Montoro. Tínhamos uma ficha onde após preenchimento pelo médico era encaminhada via e.mail para avaliação do caso conforme critérios estabelecidos. Porém fomos informados de que esse fluxo mudou e não conseguimos uma resposta clara de como estaria sendo realizado este novo fluxo. Peço auxilio, pois temos pacientes que aguardam para ser encaminhados. Agradeço desde já pela informação.

Profissional Solicitante: Assistente administrativo   Resposta: O acesso à Rede Lucy Montoro está disponibilizado apenas para Unidades que oferecem Serviço de Reabilitação Física, ou seja, CER, NIR e Ambulatórios. As vagas são oferecidas pelo CROSS para Unidades credenciadas. A Atenção Básica é responsável pelo atendimento clinico e, quando necessário, pelo encaminhamento à Atenção Especializada em

Leia mais
Gostaríamos de um auxilio quanto aos casos de pacientes com mamas muito grandes, que necessitam de mamoplastia redutora. Tínhamos orientação de que as mesmas deveriam ser avaliadas por especialistas que comprovassem a real necessidade de redução, porém alguns casos relacionados a questão de dores lombares, por exemplo, que são encaminhadas ao Ortopedista, são devolvidas para Ubs novamente. Gostaria de uma orientação de como proceder e sobre o que é necessário, se existe um protocolo para estes tipos de solicitação. Desde já agradeço.

Gostaríamos de um auxilio quanto aos casos de pacientes com mamas muito grandes, que necessitam de mamoplastia redutora. Tínhamos orientação de que as mesmas deveriam ser avaliadas por especialistas que comprovassem a real necessidade de redução, porém alguns casos relacionados a questão de dores lombares, por exemplo, que são encaminhadas ao Ortopedista, são devolvidas para Ubs novamente. Gostaria de uma orientação de como proceder e sobre o que é necessário, se existe um protocolo para estes tipos de solicitação. Desde já agradeço.

Profissional Solicitante: Assistente administrativo   Resposta: Os casos de hipertrofia mamária/gigantomastia com repercussões em outros sistemas do corpo que possam ter indicação de mamoplastia redutora deverão ser encaminhados para avaliação dos especialistas (ortopedia, psiquiatria, ginecologia, ou outro que se faça necessário) para verificar/confirmar o nexo causal das repercussões. Após estas avaliações os casos deverão ser

Leia mais
Sempre tenho dúvida com relação ao cuidado com perímetro cefálico na puericultura. Tenho duas pacientes gêmeas, vão completar agora 1 ano, e o PC tem se elevado de percentil, sendo que uma delas ultrapassou o percentil 3, mantendo DNPM adequado, com 01 polpa digital da fontanela. Como manter o seguimento da puericultura? Desde já obrigada.

Sempre tenho dúvida com relação ao cuidado com perímetro cefálico na puericultura. Tenho duas pacientes gêmeas, vão completar agora 1 ano, e o PC tem se elevado de percentil, sendo que uma delas ultrapassou o percentil 3, mantendo DNPM adequado, com 01 polpa digital da fontanela. Como manter o seguimento da puericultura? Desde já obrigada.

Profissional solicitante: Médico clínico   Resposta: A macrocefalia (megacefalia) envolve um perímetro cefálico de 2 desvios padrão acima da média para a idade. O cérebro humano é mais vulnerável aos insultos, em dois períodos: o primeiro, e menos comum, entre dez (10) a dezoito (18) semanas de gestação, no qual ocorre a multiplicação neuronal, que

Leia mais
Temos uma usuária com Distonia Cervical do tipo Retrocollis (CID 10 G24.3) que realizava tratamento e acompanhamento no HC FMRP-USP Ribeirão Preto, com aplicação de Toxina Botulínica, e que necessita dar continuidade ao tratamento em São Paulo. Solicito orientação de disponibilidade do tratamento e orientações para a usuária.

Temos uma usuária com Distonia Cervical do tipo Retrocollis (CID 10 G24.3) que realizava tratamento e acompanhamento no HC FMRP-USP Ribeirão Preto, com aplicação de Toxina Botulínica, e que necessita dar continuidade ao tratamento em São Paulo. Solicito orientação de disponibilidade do tratamento e orientações para a usuária.

Profissional solicitante: Gerente de serviços de saúde Resposta: Bom dia! Nas pesquisas e contatos realizados, não foi identificado uma referência para a aplicação da toxina botulínica, na Rede de Saúde Municipal. Identificamos que a Toxina Botulínica está na relação de medicamentos de alto custo estadual e poderá ser prescrito por neurologistas, neurocirurgiões e fisiatras. A

Leia mais
Paciente em acompanhamento para psoríase, pergunta sobre uma “vacina” anual que viu na mídia, liberada para uso no SUS, para o tratamento da psoríase. Não encontrei nenhuma evidência do que se trata… Acredito que seja algum imunobiológico novo, porém não encontrei nada. Vocês possuem algum conhecimento de medicação injetável anual para psoríase? Obrigada!

Paciente em acompanhamento para psoríase, pergunta sobre uma “vacina” anual que viu na mídia, liberada para uso no SUS, para o tratamento da psoríase. Não encontrei nenhuma evidência do que se trata… Acredito que seja algum imunobiológico novo, porém não encontrei nada. Vocês possuem algum conhecimento de medicação injetável anual para psoríase? Obrigada!

Profissional solicitante: Médico da estratégia de saúde da família   Resposta: Prezada colega, presumo que você esteja falando dos imunobiológicos que são usados em casos graves ou que não responderam ao tratamento sistêmico de primeira linha: metotrexato, acitretina e ciclosporina. Os medicamentos biológicos tem mostrado efetividade e segurança em comparação ao placebo e, atualmente, quatro

Leia mais
Olá! Tenho recebido vários pacientes com perfuração timpânica traumática (em geral por cotonete). Qual a conduta mais adequada nesses casos? Não temos otorrino em nossa rede de urgência e emergência, e o agendamento está para aproximadamente 8 meses. Obrigada.

Olá! Tenho recebido vários pacientes com perfuração timpânica traumática (em geral por cotonete). Qual a conduta mais adequada nesses casos? Não temos otorrino em nossa rede de urgência e emergência, e o agendamento está para aproximadamente 8 meses. Obrigada.

Profissional solicitante: Médico da estratégia de saúde da família   Resposta: Bom dia. Nos casos de perfuração timpânica, em sua maioria, não há necessidade de tratamento específico. O ouvido deve ser mantido seco e não há a necessidade de uso de antibióticos tópicos. Antibióticos via oral podem ser utilizados se encontrar algum foco infeccioso. Se

Leia mais
Adolescente, 12 anos, virou o pé (para dentro) ao cair de escada há 20 dias. Foi a uma UPA no mesmo dia, onde realizou RX e foi liberado pelo ortopedista com analgésicos.  Retornou a esta UBS, pois, continua com dor à dorsiflexão do pé, apoiando apenas a ponta do pé no chão durante a marcha. Ao exame físico apresenta edema discreto, sem sinais flogísticos de tornozelo e região média-proximal do pé direito; sem dor à movimentação passiva dos dedos do pé e à palpação até terço médio proximal. A partir daí, não é possível identificar o local com maior dor; qualquer movimentação do tornozelo é dolorosa. Movimentação ativa limitada, aparentemente, apenas pela dor. Há uma região circular no calcanhar que fica especialmente fria à palpação, sem outras alterações. Sensibilidade preservada.  Discuti o caso na unidade e optamos por imobilização em posição anatômica durante o dia com bota ortopédica, analgesia oral e USG. Gostaria de saber qual a hipótese diagnóstica (lesão ligamentar?), qual o tempo esperado para melhora clínica e se há algo mais a ser feito. Obrigada.

Adolescente, 12 anos, virou o pé (para dentro) ao cair de escada há 20 dias. Foi a uma UPA no mesmo dia, onde realizou RX e foi liberado pelo ortopedista com analgésicos. Retornou a esta UBS, pois, continua com dor à dorsiflexão do pé, apoiando apenas a ponta do pé no chão durante a marcha. Ao exame físico apresenta edema discreto, sem sinais flogísticos de tornozelo e região média-proximal do pé direito; sem dor à movimentação passiva dos dedos do pé e à palpação até terço médio proximal. A partir daí, não é possível identificar o local com maior dor; qualquer movimentação do tornozelo é dolorosa. Movimentação ativa limitada, aparentemente, apenas pela dor. Há uma região circular no calcanhar que fica especialmente fria à palpação, sem outras alterações. Sensibilidade preservada. Discuti o caso na unidade e optamos por imobilização em posição anatômica durante o dia com bota ortopédica, analgesia oral e USG. Gostaria de saber qual a hipótese diagnóstica (lesão ligamentar?), qual o tempo esperado para melhora clínica e se há algo mais a ser feito. Obrigada.

Profissional solicitante: Médico da estratégia de saúde da família   Resposta: Quadro traumatológico de movimento torcional em tornozelo há 20 dias; pela descrição, não há fraturas. O mecanismo de trauma leva à lesão ligamentar em tornozelo, que pode variar em 3 graus de complexidade, sendo grau 3 o mais severo. O tratamento inicial, independentemente do

Leia mais
Olá! Temos na unidade uma paciente com epidermólise bolhosa distrófica pedindo inúmeros afastamentos, referindo que não pode ir para escola com lesões em cicatrização ou bolha. Solicitamos orientação para o serviço de referência mas terá consulta somente em 11/2019. Existe contra-indicação da paciente ir para escola neste caso? Em quais situações? Desde já obrigada.

Olá! Temos na unidade uma paciente com epidermólise bolhosa distrófica pedindo inúmeros afastamentos, referindo que não pode ir para escola com lesões em cicatrização ou bolha. Solicitamos orientação para o serviço de referência mas terá consulta somente em 11/2019. Existe contra-indicação da paciente ir para escola neste caso? Em quais situações? Desde já obrigada.

Profissional Solicitante: Gerente de Serviços de Saúde Olá!. Infelizmente não posso lhe dar respostas efetivas para suas perguntas. Mas podemos pensar juntas. As características desta doença implicam num alto risco de infecções e possiblidade de sepse(1). Ir para a escola é um direito desta criança, mas as condições no ambiente escolar devem ser adequadas para

Leia mais