Adolescente, 12 anos, virou o pé (para dentro) ao cair de escada há 20 dias. Foi a uma UPA no mesmo dia, onde realizou RX e foi liberado pelo ortopedista com analgésicos. Retornou a esta UBS, pois, continua com dor à dorsiflexão do pé, apoiando apenas a ponta do pé no chão durante a marcha. Ao exame físico apresenta edema discreto, sem sinais flogísticos de tornozelo e região média-proximal do pé direito; sem dor à movimentação passiva dos dedos do pé e à palpação até terço médio proximal. A partir daí, não é possível identificar o local com maior dor; qualquer movimentação do tornozelo é dolorosa. Movimentação ativa limitada, aparentemente, apenas pela dor. Há uma região circular no calcanhar que fica especialmente fria à palpação, sem outras alterações. Sensibilidade preservada. Discuti o caso na unidade e optamos por imobilização em posição anatômica durante o dia com bota ortopédica, analgesia oral e USG. Gostaria de saber qual a hipótese diagnóstica (lesão ligamentar?), qual o tempo esperado para melhora clínica e se há algo mais a ser feito. Obrigada.
Adolescente, 12 anos, virou o pé (para dentro) ao cair de escada há 20 dias. Foi a uma UPA no mesmo dia, onde realizou RX e foi liberado pelo ortopedista com analgésicos.  Retornou a esta UBS, pois, continua com dor à dorsiflexão do pé, apoiando apenas a ponta do pé no chão durante a marcha. Ao exame físico apresenta edema discreto, sem sinais flogísticos de tornozelo e região média-proximal do pé direito; sem dor à movimentação passiva dos dedos do pé e à palpação até terço médio proximal. A partir daí, não é possível identificar o local com maior dor; qualquer movimentação do tornozelo é dolorosa. Movimentação ativa limitada, aparentemente, apenas pela dor. Há uma região circular no calcanhar que fica especialmente fria à palpação, sem outras alterações. Sensibilidade preservada.  Discuti o caso na unidade e optamos por imobilização em posição anatômica durante o dia com bota ortopédica, analgesia oral e USG. Gostaria de saber qual a hipótese diagnóstica (lesão ligamentar?), qual o tempo esperado para melhora clínica e se há algo mais a ser feito. Obrigada.

Profissional solicitante:

Médico da estratégia de saúde da família

 

Resposta:

Quadro traumatológico de movimento torcional em tornozelo há 20 dias; pela descrição, não há fraturas.

O mecanismo de trauma leva à lesão ligamentar em tornozelo, que pode variar em 3 graus de complexidade, sendo grau 3 o mais severo. O tratamento inicial, independentemente do grau, é conservador e a cicatrização varia de 3 a 6 semanas. A imobilização é necessária nos graus 2-3, por 15 a 20 dias, dependendo do grau de algia e incapacidade. Finalizado o tempo cicatricial, se instalado instabilidade sintomática, eventualmente torna-se cirúrgico, necessitando de reconstrução ligamentar. A instabilidade é constatada pela queixa recorrente de torções,  presença no exame físico de sinais clássicos de instabilidade e de qual complexo ligamentar afetado. A reabilitação é um bom recurso analgésico e de retorno às funções de marcha. O edema residual permanece por meses, não sendo um bom parâmetro de gravidade. Após as seis semanas, a RNM de tornozelo é útil para avaliar os ligamentos acometidos e lesões ósseas ou cartilaginosas existentes e não visualizadas no RX.

Referência:

Rodrigues FL, Waisberg G; Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Diretrizes em foco: Entorse de tornozelo. Rev Assoc Med Bras 2009; 55(5):510-511.

disponível em: www.scielo.br/pdf/ramb/v55n5/08.pdf